Bem-vindo (a) ao GEUC 
Grupo de Estudos Ufológicos de Carazinho

O que temos a oferecer?

  1. Investigações in loco, com direito a sigilo total da fonte/testemunha;
  2. Participação em debates e proferimento de palestras informativas para escolas, grupos de professores, empresas e demais organizações;
  3. Documentos liberados e vazados das Forças Armadas;
  4. Documentos da extinta Associação Carazinhense de Astronomia e Estudos de Fenômenos Espaciais (ACAEFE);
  5. Livros gratuitos em PDF.

Giordano: (54) 9.81255021

Miriane: (54) 9.84028065

Relatos, dúvidas e pedidos (a mensagem vai diretamente para o nosso e-mail):

O que é Ufologia? Ufologia é o nome dado ao conjunto de estudos e análises sobre a ocorrência de visualização/observação que um indivíduo tem de um fenômeno aéreo não identificado, ou, na linguagem mais conhecida um "Objeto Voador Não Identificado" - OVNI (em inglês UFO - Unidentified Flying Object).

Cumpre ressaltar que este Grupo utiliza nas suas pesquisas a definição de "fenômeno aéreo não identificado" (FANI) ao invés de OVNI. O conceito de FANI é mais abrangente que "OVNI", pois, na maioria das situações o que é observado sequer é um 'objeto', mas sim 'luzes' desconhecidas para¹ o observador/testemunha. Portanto, empregar o conceito de OVNI para qualquer fenômeno que é observado é completamente descabido e errôneo.

¹ O fenômeno precisa ser NÃO IDENTIFICADO não apenas para a testemunha que gerou o relato, mas deve permanecer não identificado após muito estudo e análise.

Ufologia é ciência? Não. Todavia, nada impede que o pesquisador ou o grupo de pesquisa empregue os métodos e os conhecimentos de natureza científica ao investigar. Entretanto, aplicar métodos científicos não vai tornar a Ufologia científica, mas poderá trazer juízos interessantes sobre o fenômeno que ela estuda. As observações visuais na Ufologia "param" na hipótese, que nada mais é do que uma explicação provisória do(s) fenômeno(s) observado(s). Atualmente, mais de 95% das observações visuais são erros de interpretação. Vejamos, brevemente, algumas hipóteses:

  1. Hipótese astronômica: Muitas das visualizações de "OVNIs" são erros de interpretação de corpos celestes observados em condições atmosféricas que propiciam um ilusão psicológica ao observador. O planeta Vênus é um dos que mais causa erros de interpretação, principalmente quando está em baixa elevação.
  2. Hipótese natural: São fenômenos da própria natureza que ocorrem tanto na alta quanto na baixa atmosfera. Se destacam as nuvens noctilucentes (alta atmosfera; nuvens brilhantes), o fogo de santelmo (descarga eletroluminescente provocada pela ionização do ar em uma região com forte campo elétrico gerado por descargas elétricas) e o fogo fátuo (combustão espontânea de gases originados de decomposição de matéria orgânica).
  3. Hipótese psicossocial: Muitas das observações podem ter uma origem de uma histeria coletiva, alucinações individuais, crenças, mitos fomentados pela ficção científica etc.
  4. Hipótese terrestre: São erros de interpretação de veículos construídos pelo próprio homem, tal como drones, aviões à jato, pipas com luzes, aviões convencionais, satélites artificiais, ou, até mesmo, tecnologia ainda secreta ou em teste por alguma Força Armada.
  5. Hipótese extraterrestre: Hipótese que visa explicar específicos casos ufológicos, onde a locomoção do "OVNI", suas especificidades de voo demonstrando alta tecnologia, fomenta que os mesmos poderiam ser sondas/veículos espaciais de origem extraplanetária (de fora da Terra), construídas e utilizadas por outras civilizações com o objetivo de pesquisa e/ou monitoramento.

É totalmente equivocado filiar-se a apenas uma dessas hipóteses e generalizar todas as observações como sendo explicadas apenas com a hipótese X ou Y. Cada caso apresenta especificidades e peculiaridades que devem ser analisadas sem que a resposta anteceda a pergunta. 

Mas, como surgiu o termo OVNI/UFO? O engenheiro aeronauta e Capitão da Força Aérea dos Estados Unidos, Edward J. Ruppelt, foi o criador do termo Unidentified Flying Objects (Objeto Voador não Identificado) em 1952, quando foi designado para comandar o Projeto Blue Book (Projeto Livro Azul) da Força Aérea dos Estados Unidos. Tal projeto tinha como objetivo investigar relatos de aparições de UFOs. Desde 1947 o termo "disco voador" era amplamente utilizado para nomear qualquer coisa vista no céu, Ruppelt então criou o termo UFO/OVNI por ser uma expressão mais neutra e precisa. Ele comandou o Projeto Blue Book até 1953 e, em 1956, publicou seu livro intitulado "The Report on Unidentified Flying Objects" (O relatório sobre Objetos Voadores não Identificados). Os cientistas e militares do Projeto Blue Book investigaram cerca de 12.600 relatos de observações de UFOs/OVNIs, de 1952 a 1970, dos quais 701 findaram como inexplicáveis. 

TCC QUE O G.E.U.C AJUDOU A ORIENTAR RECEBE NOTA FINAL 9.9 


O Trabalho de Conclusão de Curso da acadêmica de Arquitetura e Urbanismo da UNOCHAPECÓ, Sônia Mara de Souza, recebeu nota final 9.9, após sua defesa, ocorrida dia 05 de dezembro de 2018. O projeto, intitulado "Prometheus: Centro de Pesquisa, História e Ciências Ufológicas", concentrou-se nas áreas das ciências exatas e ambientais. "Prometheus" foi o nome dado ao projeto que trouxe à pequena cidade de Ipuaçu/SC - escolhida a cidade-sede - o Centro de Pesquisas. Esse espaço busca reunir em apenas um só lugar todo o aparato científico, histórico e tecnológico objetivando oferecer apoio ao corpo de ufólogos de toda a América Latina. O projeto conta com uma área de 92.500m² onde podem ser encontrados museus, áreas para visitantes, restaurante, setor de eventos, planetário, observatórios, salas de aulas e áreas restritas. As áreas restritas são espaços subterrâneos que possuem quatro diferentes níveis de permissão e são acessadas por entradas únicas com monitoramento 24 horas e segurança armada. Possuem laboratórios de Geoanálise, Engenharia Química, Bioanálise e Engenharia Biológica, além de uma área de isolamento e contenção, salas de atendimento 24 horas e sala de monitoramento por satélite. Elas funcionam como bunkers, com proteção e isolação mecânica, térmica e acústica, visando garantir sigilo e proteção a todas as atividades realizadas ali. 

Novamente, parabenizamos a acadêmica Sônia pela coragem e dedicação! 

Em breve disponibilizaremos o trabalho completo para download. 

Estamos à disposição de novos acadêmicos que queiram realizar projetos na área ufológica.

Divulgação do II Encontro Ufológico Carazinhense e XXII Encontro de Grupos de Estudos Ufológicos do Sul

Nossa participação no programa do jornalista Alessandro Tavares, na Rádio Diário da Manhã, divulgando nosso próximo evento e abordando rápidas questões sobre a Ufologia. O historiador André de Pierre fez algumas considerações sobre sua palestra do sábado, via telefone. Nossa participação inicia no minuto 6:08 e finda em 28:00. 


II ENCONTRO UFOLÓGICO CARAZINHENSE E XXII ENCONTRO DE GRUPOS DE ESTUDOS UFOLÓGICOS DO SUL

Novamente, a região norte do estado foi presenteada com mais um grande evento realizado pelo Grupo de Estudos Ufológicos de Carazinho e o Movimento Gaúcho de Ufologia. Na tarde do dia 28 de julho, no salão social do Clube Comercial de Carazinho, ocorreram três diversificadas palestras sobre o tema. Tivemos a presença do historiador paulista André de Pierre, que veio ao Rio Grande do Sul para a realização da 3ª fase da expedição antigas civilizações no Brasil pré-histórico. A pesquisadora porto alegrense Maureen Braz palestrou sobre os 60 anos do Caso Artur Berlet. Foi feita uma homenagem à família do Sr. Artur, representado pela sua filha Andréia Berlet e sua neta Bruna Toso, que receberam uma placa em homenagem ao caso através do Grupo de Estudos Ufológicos de Carazinho, Grupo Aldebarã de Investigações e Debates Ufológicos (GAIDU - Porto Alegre), Movimento Gaúcho de Ufologia (MGU) conjuntamente com o Sr. Jorge Ernesto Macedo Geisel, um dos primeiros investigadores do caso, que não pode se fazer presente no evento. Para finalizar, o pesquisador Giordano M. Andrade trouxe algumas análises sobre as pesquisas, metodologias e resultados do GEUC.


G.E.U.C PALESTRA PARA GRUPO DE PROFESSORES

Na tarde de ontem, 19/07/18, o GEUC passou mais de 3 horas com os professores do NEEJA - Núcleo Estadual de Educação de Jovens e Adultos -, onde abordamos a Ufologia, sua história, os principais casos no Brasil e na região Sul. Mostramos nossas metodologias, objetivos e as demais atividades do Grupo. Agradecemos a receptividade de todos, bem como o convite e abertura que o Núcleo teve para com o tema e o grupo. Todo debate é muito bem-vindo, trazendo sempre o enriquecimento intelectual o aprimoramento das ideias.

Slide inicial, com a temática que foi abordada aos professores:

Sumário:


RELATÓRIO DA VIGÍLIA UFOLÓGICA 2018/01 - DISTRITO DE TESOURAS, MUNICÍPIO DE CHAPADA

Na noite do dia 30 de abril de 2018, os pesquisadores do GEUC Giordano M. Andrade e Miriane Prestes Lemes, se deslocaram ao distrito de Tesouras, município de Chapada, onde realizaram uma vigília. Tal vigília foi gerada após o grupo tomar ciência de um número considerável de observações de fenômenos aéreos não identificados que ocorreram na região. Contudo, o grupo nada observou nas horas que ficou nas localidades. Leia o relatório completo da nossa vigília nas imagens abaixo:

G.E.U.C AJUDA PESQUISADORA NA ELABORAÇÃO DE SEU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

Na tarde de hoje, 28/04/2018, a reunião do G.E.U.C consistiu, inicialmente, na discussão e organização do próximo evento ufológico a ser realizado na cidade de Carazinho, além da decisão das próximas investigações a serem realizadas na microrregião de Carazinho. Por fim, realizamos o encontro com a acadêmica de arquitetura e urbanismo da UNOCHAPECÓ, Sônia Souza, que está elaborando seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) visando a criação de um Centro de Estudos Ufológicos que tenha todo o aparato necessário para a pesquisa do fenômeno UFO, análises de materiais e os equipamentos e softwares adequados para tal. Sônia acompanhada do policial federal Diego Bervian (ambos do lado direito da foto) passaram mais de 4 horas com o Grupo, onde receberam diversos materiais sobre Ufologia, além de sanarem suas dúvidas para a elaboração do TCC. 
Parabenizamos a pesquisadora Sônia pela determinação e coragem na escolha de um tema tão delicado e complexo.
O GEUC agradece a confiança depositada por ambos em nosso grupo. Vamos em frente! 

                                                   UFOLOGIA NAS ESCOLAS

Em comemoração aos 70 anos da Ufologia Mundial (celebrada no dia 24 de junho), na manhã de hoje (14 de junho de 2017) promovemos uma série de palestras e debates na escola EEEM Marquês de Caravelas (no período da manhã e da noite), onde fomos muito bem recebidos e saímos com a sensação de dever social cumprido.

Miriane Prestes Lemes iniciou explicando aos alunos o que é Ufologia e como funciona seu campo de estudo. Logo depois, Sergio Prado falou sobre a suposta abdução do tratorista Artur Berlet, ocorrida em Sarandi/RS no mês de maio de 1958. Giordano Mazutti Andrade mostrou aos alunos que as Forças Armadas do nosso país já investigaram OVNIs e ataques oriundos de objetos luminosos, falou sobre a Operação Prato que aconteceu em 1977 no norte do Pará. E para finalizar, Miriane Prestes Lemes mostrou o "Caso Molha Pelego".

No dia 20 de junho de 2017 o grupo foi até a cidade de Pinheiro Marcado, onde proferimos o tema novamente na escola Veiga Cabral. Fotos tiradas na escola Marquês de Caravelas:

Fotos das palestras na Escola Veiga Cabral, em Pinheiro Marcado.

ALMOÇO DE CONFRATERNIZAÇÃO DOS MEMBROS DO GEUC E PARTICULARES AMIGOS 

  • Domingo, 30 de abril de 2017 - sede da OAB.

Marcos Klein de Oliveira, Nelson Castilhos, Sergio Prado, Lourival Limberger, Giordano Mazutti Andrade e Miriane Prestes Lemes


Fotos do I Encontro Ufológico Carazinhense e XVI Encontro de Grupos de Estudos Ufológicos do Sul

  • Salão Social do Clube Comercial de Carazinho - 25 de junho de 2016. 
  • Público total: Aproximadamente 230 pessoas.

Primeira palestra: Giordano Mazutti Andrade (Grupo de Estudos Ufológicos de Carazinho): Operação Prato: Histeria ou realidade?

Segunda palestra: Flávio Munaretto (Associação de Colaboradores e Pesquisadores do Fenômeno Ufo, São Leopoldo): Uma reflexão sobre a existência de vida extraterrestre.

Terceira palestra: Euclides Pereira ( SIGMA - Porto Alegre): A psico-biofísica como terceira via de investigação.

Quarta palestra: Carlos Odone (Grupo Aldebaran de Investigações e Debates Ufológicos - Porto Alegre): A consciência cósmica a partir do fenômeno UFO.

Divulgação na Rádio Gazeta e Diário da Manhã